Aprendendo Rápido

O jovem parecia um radar na proa do barco, atento olhando tudo. Comentei:

– Primeiro turista japonês que não fotografa tudo o que vê pela frente.

Quem viajava comigo também falou:

– Talvez seja coreano.

– Ou filipino.

Decidimos tirar aquela dúvida, e outra dúvida surgiu na sequência:

– O que leva a viajar sozinho Nakamura?

Não se mostrou muito entusiasmado a conversar. Respondia o perguntado numa boa, mas não esticava o assunto. Timidez ou natureza quieta?

Chegou no Brasil para cumprir agenda de estudante, frequentaria um breve curso sobre a América Latina. E onde tinha aprendido a falar português? No seu próprio país. Exigência da Escola, chegar sabendo alguma coisa.

– Gosta de peixe?

– E de pescar?

Jantamos junto naquela noite, peixe a vontade. Nakamura desejava saborear churrasco e feijoada, mas para surpresa dele, tais opções não constavam do cardápio. Não eram servidos em todo restaurante, qualquer dia da semana?

Acertamos a pescaria para a manhã seguinte.

Os pratos ainda sobre a mesa após a refeição, meu amigo embolsou uma das facas, Nakamura arregalou os olhos escandalizado. Engoliu ar ensaiando protestar, meu amigo agiu primeiro: não era o que parecia, não roubava o utensílio, tomava emprestado a ferramenta, necessária para a pescaria, que seria então devolvida da mesma forma, na surdina, após o uso. Por que não tinha simplesmente pedido ao garçom, Nakamura quis saber. O garçom não emprestaria, porque não era o dono do lugar. Ficasse tranquilo, o importante seria devolver direitinho:

– Se quiser, você será testemunha de que não houve intenção de furto.

Não pareceu convencido, senti nele um desconforto agudo pelo empréstimo sigiloso. Tentei mudar o assunto:

– Sabe jogar truco?

Ensinamos a parte teórica, o valor de cada carta, a hierarquia das manilhas móveis, e principalmente, as intrincadas malandragens de blefar sem ter nas mãos o que prestasse, o famoso facão. Assistiu atentamente uma partida, a próxima ele jogou. Já na primeira carteada, pediu três tentos. Não gritou nem provocou adversário, inclusive fez uma breve reverência inclinando a cabeça para a frente, ao pedir educadamente:

– Quero truco.

Ponderei:

– Gente aprendendo a jogar não tapeia, é melhor correr.

Minha companheira de dupla decidiu por nós dois. Convicta, declarou:

– Caia japonês, caia que eu quero ver.

Acossado, Nakamura se esquivou, embaralhando as cartas no baralho:

– Meu parceiro escondeu a faca, vou esconder o facão.

Conheça também Profunda Identidade

Saiba Mais

Fonte da figura

Japoneses – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

 

Related posts

1 comment on “Aprendendo Rápido

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *