Morro do Ouro Parte III Imaginação Alcoviteira

Passei na frente confirmando o endereço e descrições: com certeza cheguei no lugar certo. O que faço agora? Indeciso, segui pedalando, considerando encerrar a busca. Balanço preliminar, pouco animador: de que valeu tanto esforço? A não ser pelo prazer da viagem e surpresa do helicóptero, nada. Fragmentos de fuxico me trouxeram até aqui, mas e daí?

Voltei devagarinho, a placa abandonada nos fundos deu o motivo, me disfarcei de comprador.

Só um carro na garagem improvisada, cadê o outro? Em todo caso, foi a deixa que eu tanto precisava:

– Nunca imaginei que cebola dava tanto dinheiro…

– Quem lhe disse que vendo cebola?

Apontei a propaganda desativada, o resto ele contou.

Havia abandonado a horta, alugado as terras para um japonês cultivar tomate. Com o ouro martelando a cabeça, pensei: tomateiro ou garimpeiro disfarçado?

A hortaliça remediava, as casinhas alugadas permitiam ter mistura no prato todo dia, mas o luxo de agora vinha de outra fonte, das terras desapropriadas pela companhia ferroviária paulista, a Fepasa. Recebeu de uma só vez o montante gordo. Ainda teve outra sorte. Deu uma pausa, agucei os ouvidos: agora desembucha.

A área vendida nem servia para o plantio, em termos práticos, não perdeu um palmo sequer de terra arável, e sentado na bufunfa. Alguns vizinhos não aceitaram a quantia generosa, pleiteando melhor preço na justiça, chegou a dizer quanto pediam pelo metro quadrado, nem escutei. Um pouco frustrado, perguntei outra coisa:

– Não tem medo que saibam do dinheiro guardado?

– Se roubarem, o problema não é meu. Mas quero ver quem se atreve, com guardião dentro do banco, armado dia e noite. O governo me garante a correção monetária, quer negócio melhor?

– Andam dizendo que encontrou lingotes de ouro…

Meio desconfiado, interpelou:

– Tem certeza que veio mesmo demandar o que não tenho?

Improvisei, mentindo:

– Mandaram comprar…

Então me dei conta, como justificar minha presença ali se precisasse, levado por uma curiosidade inconsequente, insana e tola? Como fundamentar um regalo fortuito e desinteressado pela procura de algo que se encerra na própria busca? Deveria ter voltado embora com a decolagem do helicóptero, aquilo sim valeu a pena.

Na frente do homem, segui trapaceando:

– Não é pra mim.

Descrevi a destinatária da encomenda, pessoa imaginária, me apoiando na cena de um filme, a atriz bonita e famosa encarnada no papel de rainha elegantemente vestida em trajes formais da corte. Para aferir maior consistência ao relato, mudei a roupa da artista, já agora me inspirando em rainha verdadeira, cuja foto estampava uma página inteira da revista para adultos que comprei furtivamente, alegando ao vendedor: não é pra mim.

Voltando ao assunto, ele se abriu entusiasmado:

– Mas claro, é a Marieta!

A ousadia da mentira sobre a mentira abriu caminho para o que veio:

– Estou para ver mulher mais difícil, para ela cebola fede, e fede também quem toca o bulbo. Tentei de tudo para impressionar esta dona. Aprendi a ler os romances que ela indica, pela sapiência angelical da sua boca, descobri algo impressionante, o narrador da história também é personagem inventado, de verdade, nos livros que ela gosta, só o autor que inventa tudo. Mas nem a literatura e nem o dinheiro grande parecem surtir efeito. Carrega no peito a eterna frieza da garoa de Apiaí.

Seguiu na lamúria:

– É a última herdeira dos ricaços dos áureos tempos do ouro abundante. A riqueza se esfacelou, mas ela teima em se equilibrar na soberba dos maiorais, se mantendo nas aparências de granfina, desdenhando meus sentimentos sinceros.

Detalhou tudo. Seu eterno amor pela solteirona orgulhosa, recebendo indiferença e nada mais. Propôs que eu participasse da trama em andamento, a julgar pelo que andei lendo recentemente, fadada ao fracasso. Ora, o recurso é dele.

Acordo feito, pagamento efetuado, já montado na bicicleta para levar recado em vez de legume, memorizei a mensagem. Então me vi na encruzilhada da esperteza e da moral: sumo sorrateiramente ou abro o jogo, mentindo um pouco mais? Optei em seguir fraudando:

– Pediu cebola mas não queria, mandou entregar para os velhinhos do asilo lá de perto do hospital. Não sei onde mora, me abordou na praça.

– Agora sim, tenho certeza, é Marieta, e Marieta! Meu plano está funcionando!

Será que para impressionar Marieta, inventou a descoberta da fortuna no quintal? Se mente, tem uma causa. E eu?

Revelei uma ousadia desconhecida de mim mesmo.

– Dobrando esta quantia, faço ela se jogar em teus braços, dentro de poucos dias.

– Você é macumbeiro ou apenas um linguarudo?

– Conheço a natureza feminina, sei o que funciona.

A esta altura, que diferença faz uma pulha a mais?

Busquei na recente aquisição que lia escondido, a falsa sabedoria da estratégia improvisada.

– Não basta só largar o que tem mau cheio, nem juntar carro luxuoso. Vamos mudar esta artimanha.

Aguardando pipocar maior quantia, completei o raciocínio, fazendo gesto:

– Imagine ela aninhada no estofamento macio desta Itamaraty, agarrada em você, apreciando suas maliciosas trocas de marchas.

Desaprovou a mímica audaciosa, censurando:

– Não é dessas, jamais permitirá libertinagem.

Lembrei da confissão reveladora da conselheira insurgente das crenças dominantes, no encarte franqueado aos maiores de dezoito: “rapazes, não pensem que nós garotas, somos assim tão virtuosas”. Que ótimo investimento adquirir publicação subversiva dos costumes, mas é melhor não melindrar meu cliente de cara, por enquanto, só digo o que ele deseja ouvir:

– Esqueceu? Vocês estarão casados, e ela apaixonada por você.

Fiz novo aceno, aprumando a bicicleta, já com o pé firmando o pedal.

Ele também fez gesto, de espere, enfiando a mão no bolso.

Honorário reforçado, iniciei a fala recomendando alegação igualmente pilhada da mesma conselheira já citada:

– Não é se gabando afoito, tão pouco rastejando submisso que se conquista o coração de mulher independente.

Conheça também Profunda Identidade

Saiba Mais

Fonte da imagem

https://www.bing.com/images/search?view=detailV2&ccid=FRkR67jQ&id=BEEFCD3666DA8F02A4C5456B182E63D68541D294&thid=OIP.FRkR67jQaG6kzQUvSP4mLgHaEX&mediaurl=http%3a%2f%2fsm.ign.com%2fign_br%2fscreenshot%2fdefault%2fcollage_uer5.jpg&exph=708&expw=1200&q=imagem+de+atrizes+representado+rainhas&simid=608002970478905969&ck=AAF7945FCCA80B42B086B8C95E5AB894&selectedindex=3&ajaxhist=0&first=1&scenario=ImageBasicHover

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *